domingo, 13 de junho de 2010

Lixões do nosso Brasil...




O curta-metragem Ilha das Flores consegue ilustrar de uma maneira inteligente e sarcástica a inter-relação entre todos os seres-humanos e suas ações, assim como, revela situações extremas, opostas a simples atos.

Não precisamos ir longe para traçarmos um paralelo à realidade da Ilha das Flores, aqui no grande Recife, temos o lixão da Muribeca e no seu entorno, comunidades e pessoas que sobrevivem desse lixo, não só separando o que é reciclável para a venda e conseqüente, subsistência, mas também se alimentando do que encontra.

Há muitos anos atrás, uma triste notícia  (Diário de Pernambuco - 16/4/1994 - ver abaixo) falando sobre o caso de uma família que se alimentou de um seio humano jogado no lixão de Peixinhos em Olinda, despertou em mim e em meus amigos o interesse de levar algum tipo de ajuda aos moradores desse lixão. Foi um choque ao chegarmos lá e constatarmos que além daqueles que trabalham no lixão, ao menos 20 famílias moravam de fato em barracões improvisados em cima e no meio de todo aquele lixo. O cheiro era algo inimaginável, não havia nenhuma condição mínima e digna para que um ser humano vivesse ali e no entanto, encontramos famílias inteiras, crianças com chupetas sendo arrastadas em meio ao lixo, comida sendo feita em fogareiros em meio ao lixo, vida em meio ao lixo...






Mais recentemente, por dois anos seguidos, eu e meus alunos, fizemos uma ação de voluntariado junto às crianças da creche Lar Esperança na Muribeca e pudemos constatar mais uma triste realidade. D. Cristina, moradora da comunidade, cidadã ativa e solidária para com seus pares, é responsável há mais de 15 anos por um lindo trabalho de cuidar de filhos de catadores de lixo enquanto os pais dessas crianças trabalham no lixão, e em seu dia-a-dia vivencia histórias, que mais parecem estórias, mas infelizmente, são reais. Algumas delas se referem justamente a crianças que adoecem seriamente por se alimentarem do que os seus pais levam do lixão para casa. 

Tal situação deve nos trazer uma profunda reflexão em relação ao que jogamos no lixo e como o fazemos, além do que, o que consumimos e em que proporções, quanto desperdício geramos? Ao jogar, por exemplo, um iogurte já vencido e ainda fechado no lixo, não fazemos idéia que uma pessoa, provavelmente, um catador de lixo, poderá pegar e levar para si e sua família aquilo que não consideramos apto ao consumo de qualquer ser-humano. Assim, o ato de jogar algo para o lixo tem conseqüências não só ambientais, mas sociais também. 

Devemos ser mais cuidadosos com o nosso consumo, evitar desperdícios, pois o que não nos serve poderá, nestes casos, infelizmente, servir a um outro ser-humano que pela sua miséria não terá o mesmo critério que o nosso e poderá colocar sua saúde e a de seus familiares em risco. Quantas vezes jogamos remédios vencidos fora? Será que em alguma delas pensamos nisso? O quanto um simples ato, ainda que correto, pode acarretar de prejudicial para uma outra pessoa? Existem formas mais corretas de jogarmos certas coisas fora? Como o óleo de cozinha, que é uma preocupação já discutida e constantemente abordada atualmente por seu impacto ambiental.
Creio ser esta uma reflexão importante que deve nos levar a ações mais conscientes. Tudo o que fazemos atinge de alguma maneira outras pessoas, positiva ou negativamente, assim como o meio-ambiente do qual fazemos parte. Precisamos levantar questionamentos, buscar soluções e cada vez mais, tentar colocá-las em prática. E lembrar que a questão ambiental e social andam juntas e não há como lidar com uma delas sem considerar a outra.
Em tempo, quem tiver interesse em saber um pouco mais sobre a creche Lar Esperança na Muribeca, veja abaixo mais informações. No momento eles estão precisando principalmente de leite e alimentos, entre outras coisas, quem sabe você possa ajudá-los!

CRECHE LAR ESPERANÇA
R. da Amizade, 20. Vila dos Palmares. Muribeca. Jaboatão/PE.
Responsável: D. Cristina
Telefone: (81)3476.4344


 

por Patrícia Reis.

55 comentários:

  1. Esse texto realmente provoca sem dúvida, um pouco de culpa no ser humano,porque mesmo não sendo intencional é exatamente isso que acontece, esquecemos desse mundo, aos nossos olhos irreal e inaceitável mas que existe e está bem perto. Eu fui apresentada a ele, ainda que no momento festivo , atraves da visita de natal, e fiquei impressionada como um pequeno momento como aquele trouxe tanta alegria as crianças, dai a prova do tamanho de suas carencias.
    Mas graças a Deus existem pessoas assim com Patricia que está sempre realizando esses trabalhos lindos e incentivando outras pessoas seguirem o mesmo caminho.
    Parabéns por chamar sempre nossa a atenção para sermos menos cegos e mais solidários.

    ResponderExcluir
  2. Incrível como nós humanos fazemos coisas sem nem perceber o quanto que isso pode afetar milhares de outras pessoas. Esse fato do lixão é o maior de todos. Eu falo por mim, que essa semana joguei uma lata de comida canina que estava mofada, no lixo. Quem me garante que ninguém consumiu essa comida? Pois bem, esse texto me antenou nesse ponto de ficar mais ligada no que jogar no lixo, em como consumir, quanto consumir, entre outros. E infelizmente, para melhorar esse quadro, numa população grande como a nossa, vai ser muito difícil, mas não impossível.

    ResponderExcluir
  3. Adorei encotrar este blog para que possar repassar um pouco de conciencia para nós da sociedade se concienteza-se por certas atitudes que tomamos em parte do desenvolvimento do nosso planeta e para que não façamos coisas como essas no Filme Ilha Das Flores.

    Quero agradecer desde já a senhorita (Patricia Luna) por trabalhos maravilhosos que vem fazendo ao decorrer destes anos.

    Depois de assistir este incrivél video postado neste blog venho em deixar de fazer coisas como essas ou parecidas que fazemos no dia-a-dia então estou-me concientezando para que isso não venha a acontecer mais neim dentro da minha casa ou no meu trabalho.
    abraço!
    Ass: JEAN PIERRE

    ResponderExcluir
  4. O texto faz realmente a gente refletir sobre "O LIXO" de maneira geral, como fazer para evitar o desperdícil e até reciclar sempre tendo o cuidado quanto ao que jogar no lixo. É muito bonito bonito e interessante o trabalho social realizado pela professora e os alunos.
    Realmente vivemos num país com uma desigualdade social imensa e,se cada um, fizer sua parte com certeza viveremos num mundo melhor...
    Depois da leitura deste texto, percebi o quanto é importante o cuidado com o nosso lixo. Parabéns a profesora!!

    Maria Jose Mendonça turma N2

    ResponderExcluir
  5. É triste saber que pessoas vivam dessa maneira, sabendo que o nosso país é muito rico e capaz de reverter essa situação mas nós tambem somos culpados por tudo que está acontecendo pois nos consideramos pessoas civilizadas e não percebemos os nossos erros ao não fiscalizar o nosso lixo.O que o país precisa é de iniciativas como essa. Daysiane Bezerra

    ResponderExcluir
  6. É dificil de acreditar que pessoas vivam desta maneira, sendo tratadas abaixo de um porco..
    Vi uma vez uma frase que dizia "Tudo que sobra na sua casa falta na minha!" e é isso que podemos relatar nesse documentario,o que jugamos inapropriado pro nosso consumo é a refeição dessas pessoas.
    São pessoas que precisam de um olhar de compaixão,vamos dar a eles um olhar, e ajudar de alguma forma em vez de dizer que é culpa é do vizinho.
    Parabéns prof. pelo trabalho realizado.

    Camilla Thayssa R. Reguerin

    ResponderExcluir
  7. As vezes nós nos preocupamos tanto com coisas tão pequenas e acabamos por não olhar o que realmente é importante,o nosso próximo,aquelas pessoas que estão ao nosso lado e fingimos que não a enxergamos ou que não temos nada haver com com o que ela está vivendo, onde na realidade a responsabilidade também é nossa.Se cada um de nós vestíssimos a camisa da solidariedade,ajudando com algo que não nos faria falta,com uma feira básica,votando em quem realmente está disposto a melhorar a vida da população mundial,teríamos com certeza um mundo mais nivelado, com pessoas mais felizes e condições de vida melhores.
    Parabéns Professora por sua iniciativa!!!

    Catarina Portela(N2 Noite)

    Catarina Portela

    ResponderExcluir
  8. É impressionante como um "simples" ato de jogar algo vencido no lixo, podem atingir proporções tão prejudiciais. Nós seres humanos, numa grande maioria, não nos preocupamos com causas sociais, quantas pessoas param para analisar, que jogar um iogurte vencido no lixo pode prejudicar a saúde e o fator social de uma outra pessoa, no caso, um catador de lixo, que na verdade, quando se joga alguma comida fora, nem se quer pensamos nos catadores de lixo, essa é uma grande verdade. Uma mobilização e conscientização deveria ser feita porque muitas pessoas não se dão conta, ou até mesmo não sabem de tais realidades vividas por essas famílias que sobrevivem no lixo e do lixo. Um fato que deveria ser combatido e que passa desapercebido pelos orgãos competentes.
    Apartir de hoje farei minha parte, também irei me dispor a divulgar esse trabalho que foi feito, queria aproveitar para parabenizar a Profª Patrícia Luna, muito interessante, rico e importante o assunto abordado.

    Emerson Fernando M2

    ResponderExcluir
  9. Erika Ekatherina / M211 de agosto de 2010 19:26

    É triste que num país tao bonito e cheio de riquezas naturais como o nosso ainda encontramos tanta gente passando miseria e fome. Infelizmente essa é a face dos lixões no Brasil, é triste saber que pessoas como nós estão nesse momento passando fome e tendo que comer o que é lixo para sobreviver... Me recordo de um caso na minha cidade de um pai de família pobre que encontrou no lixo uma lata de nescau e levou pra casa para alimentar seus filhos,todos que comeram passaram mal, um deles não resistiu e morreu, o que continha dentro da lata não era nescau,nas análises foi comprovado, não me recordo o que continha exatamente dentro da lata, no relato do pai, ele achou a lata, provou e tinha gosto de nescau ( talvez não sabia como era o gosto ), foi muito chocante na época e desde então na minha casa, tudo que esta fora da validade ou ruim, remédios, etc, esvaziamos as embalagem e so depois jogamos-as no lixo.

    ResponderExcluir
  10. Infelismente, essa éa realidade em que vivemos,ea cada dia que passa piora mais,a quantidade de lixo que é jogado em lugares inadequados e somente nós somos os culpados de tal fatalidade,o governo não contribui muito para tirar essas familias desse ambiente tão sujo,que só vivem nessas condições por falta de oportunidades, sem ter trabalho, saúde, segurança e tantas outras que eles apenas sonham.Com a nossa parte vamos contribuir, se cada um fizer um pouquinho,todos juntos fazem o muito. joelma n2

    ResponderExcluir
  11. Ana Carolina M2


    São imagens que acontecem com frequencia que poderiamos evitá-las.
    É um problema grave que vem se agravando a cada dia, as autoridades tem que fazer algo por esse povo a miséria é muito grande, causando falta de oportunidades.
    Essa população para se alimentar comem de lixo até restos de seres vivos.
    Eu sempre separo o lixo em orgânico e reciclável até o óleo separo, mas nunca olhei por esse lado que restos orgânicos fossem fazer parte da alimentação de muita gente no ciclo de vida, produção x consumo x lucratividade.

    ResponderExcluir
  12. Diante de tantas tristezas e miséria a sociedade ainda se nega ajudar esses pessoas que pouco sabe o que é viver dignamente...e pior não ajudar fazer de conta que naõ existem.todos os dia deitamos sem mesmo agradecer por tudo que temos ..numca se conformamos.enquanto essas pessos vivem do nada esquecidades .o que asociedade precisa ser mais humano buscar uma forma de ajudar essas .

    ResponderExcluir
  13. É um absurdo o que vimos, e inadimissível para esse país tão rico e cheio de desigualdade, os orgãos responsáveis precisam rever seus conceitos, e tratar essas pessoas com mais respeito e dignidade.

    ResponderExcluir
  14. Isso é muito triste saber q isso acontece e muita gente não esta nem ai, não sabe ele q aquele prato de comida q ele um dia jogou fora vai fazer muita falta pra muita gente no pais e no mundo.
    Muito interessante mesmo essa historia pq ela conta quem cuida da tomate e vai até quem realmente come, e sabe q um ser humano deixou de colocar pra um porco comer pq não estava em bom estado para ele comer mas para uma pessoa q realmente precisa comer, que esta com verdadeira fome aquile tomate vai ser bem vindo, não pq ele quer mas sim por falta de alimentos bons.

    Muito obrigado professora, aprenti bastante com esse pequeno video.

    ResponderExcluir
  15. Roseli Laurentino-M2
    Essa questão não deve ser vista como um problema de responsabilidade das autoridas ou do governo, é muito fácil deixar toda responsabilidade para os orgãos públicos, o que falta na verdade é conciência da população, não apenas conciência socio ambiental, mas também reponsabilidade social, é sempre muito fácil como sempre é culpa da policia, é culpa do médico, é culpa do professor...,onde está o nosso compromisso com a sociedade com as pessoas falta humanidade, quando colocamos animais acima de seres humanos, quando vemos pessoas vivendo de forma miserável e achamos normal, onde está a nossa sencibilidade?

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. E Difícil acreditar que hoje em dia ainda existe gente que reclama da vida, tantos com muito e tantos com nada eu acredito que isso tudo um dia vai mudar um dia, pois se cada um fizer sua parte o mundo vai ser bem melhor .

    ResponderExcluir
  18. Andreza- Acho muito importante abordar esse tipo de assunto que muitas vezes é esquecido pela população que não vive nessa situação, pois é comum ver o jornalismo publicando notícias de assuntos como: violência, droga, assaltos, entre outros. Porém não focam num assunto importante como esse que deveria merecer um grande destaque para que a população se conscientizasse de que ainda há muitas pessoas passando fome, tendo que se alimentar de restos de comidas que é um absurdo. Então cada pessoa ajudando com pouco, ao final se tornará muito para quem não recebia nada. Não irei negar que nem lembrava que existiam pessoas que ainda passam por isto, por não está diretamente ligada á situação. Achei importantíssimo e muito interessante esse trabalho que você faz Patrícia, pois o mundo está precisando de pessoas que fazem a diferença, como você está fazendo. Temos que aprender na realidade a sermos mais humanos e ajudar sempre o próximo.

    ResponderExcluir
  19. Parabéns pela grande iniciativa de levar dignidade a pessoas que tiveram poucas chances de saber o real significado dessa palavra. Ilha das Flores é um documentário que aborda a temática de forma muito sagaz. Indico um documentário realizado pela Susan Sarandon para a Unicef sobre a temática. Ela até veio ao Recife para rodar umas imagens num lixão (Não lembro qual lixão nem o nome do filme, mas o tio google pode dar alguma dica). Os melhores cumprimentos.

    ResponderExcluir
  20. As diferentes classes sociais tem proporções que a gente nem imagina.
    E todos nós hoje sabemos o que devemos fazer para melhorar um pouco o mundo e acaba que nada é feito.
    O lixo, q é uma coisa q o cuidado é tão pouco vira fonde de renda para muitas pessoas.
    Devemos nos concientizar cada vez mais, e ver como as coisas hoje acontecem mais perto e cada dia mais afetam a nossa vida.
    Mas acredito que estamos cada vez mais perto do dia q as pessoas vão se preocupar com o proximo e com o mundo tanto quando se preocupam com elas mesmas.
    Mara - N2

    ResponderExcluir
  21. É de fundamental importância prestar atenção em alguns atos, que para nós parecem banais, mas que podem refletir de maneira absurdamente negativa na vida de uma enorme quantidade de pessoas. Esse texto só nos confirma o grande número de famílias que vivem de maneira sub-humana e que,infelizmente muitos fingem que não vêem...

    Em contrapartida dá muita alegria saber que, apesar da frieza e egoísmo da maioria que só olha pro seu próprio umbigo,existam iniciativas como essa da professora Patrícia Luna em alertar e envolver seus alunos e amigos em tarefas que com certeza fazem uma diferença enorme na nossa sociedade.


    Antes , por obrigação(qndo estava pagando a cadeira!rs),hoje por admiração, venho aqui absorver um pouco do que Patrícia pode nos oferecer e parabenizá-la pelo empenho em cuidar e ajudar a sociedade,a natureza,o planeta...
    e tenho certeza que os maiores beneficiados com esses trabalhos são todos que acreditam poder fazer a diferença e que de alguma forma se envolvem para melhorar o mundo!

    TAUANA CORDEL
    http://que-coisa-boa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Turma N 2
    Jorge Henrique F.Mafra

    Quanto vale a atenção da mídia e de outros meios de comunicação, para expor fatos como este, na realidade e na íntegra, sem maquiagem... Estamos acostumados a nos mobilizarmos sobre tudo, quando acontece algum desastre natural, quando isso repercute de forma nacional, comovendo um grande número de pessoas, principalmente pelo apelo insistente da mídia por ajuda. Esquecemos no entanto, as condições básicas de sobrevivência para um ser humano, que são diariamente violadas e que isso não ocorre como um fenomeno sazonal como os desastres ambientais por exemplo, que por falta de planejamento público, todos os anos provocam a morte de milhares de pessoas. Pude atuar e acompanhar de perto o drama de várias pessoas que perderam tudo nas enchentes do litoral sul do nosso estado no ano passado e acreditem, de perto, a situação é muito mais trágica do que aparecem na tv ou jornais por exemplo, acompanhei histórias reais, ninguém contou para mim como foi, eu mesmo vi, me comovi, ajudei da maneira que pude e mesmo assim, certas coisas são difíceis de esquecer... Será que aquela dor que todos sentiam alí, naquele momento, não é a mesma enfrentada por essas pessoas nos lixões de nosso país quase que cotidianamente? Ambas as situações são trágicas e por assim serem, ambas merecem a mesma exposição. Até como forma de evidenciar as políticas públicas que estão ou não sendo geridas para beneficiar ou tentar ao menos melhorar a qualidade de vida das pessoas em questão.

    ResponderExcluir
  23. Marilia Gabriela (ADM N - 2)9 de fevereiro de 2011 15:04

    O video mostra uma realidade infelizmente vividas por milhões de pessoas,apezar de grande parte da sociedade ter consiencia dessa realidade são poucos os que fazem algo pra tentar mudar.Muitos só se preucupam com lixo no sentido de reciclar e tal, mas e as pessoas que dependem dele pra comer? são poucos os que se importam com isso!. parabens Patricia pelo lindo trabalho!

    ResponderExcluir
  24. É incrível como td isso esta bem próximo de nós e fingimos que n vemos, nós achamos q o podemos fazer é pouco, mais na verdade ñ é, se cada uma fazer sua parte podemos mudar a realidade q é trão cruel...Paula Arruda turma N2

    ResponderExcluir
  25. Valeria S. de Oliveira Silva9 de fevereiro de 2011 15:28

    Valéria S. de O. Silva
    Turma N2

    O filme relata o processo desde a fabricação que é na plantação de tomate até o final de sua circulação.
    O local chamado ilha das flores, no qual havia poucas flores e sim muito lixo era onde despejavam os lixos recolhidos das casas;alguns eram reaproveitados para alimentação dos porcos, outros que não serviam nem para eles era dado para homens, mulheres e crianças que não tinha condições financeiras, nem recursos (homens livres sem dono), distribuído entre 05 e 05 minutos a cada 10 pessoas por vez.
    Entretanto, o que o filme abrange é a pura e cruel realidade da vida; o quanto desperdiçamos jogando fora nossa comida e muitas vezes até por que perdeu a validade. Mas por nosso conhecimento ou inocência desse fato essas comidas eram recolhidas e jogadas no lixão, em um ambiente totalmente sem higiene, misturado entre ouros produtos, exposto a insetos e bactérias causadoras de doenças. Chegando às casas de família pobres através dos catadores que moravam em péssimas condições naquela rua, eles comem aquelas comidas, podres e sujas para saciar sua fome, separando os objetos que podem ser reciclados afim de obter alguma renda, para complementar suas subsistência.
    O que devemos tirar como lição desse filme é que se não tínhamos nem temos conhecimento desse fato a partir dele teremos que mudar os nossos atos, aprender a compartilhar, ajudar e ser mais solidários, pensar duas vezes antes de jogar fora o alimento. Devemos fazer ações comunitárias para ajuda-los e não prejudicalos, sabemos que seres humanos iram comer aquilo que jogamos fora.

    ResponderExcluir
  26. Fiquei chocada com o vídeo, passado ontem em sala de aula, sobre o lixão em Ilha das Flores, na cidade de Porto Alegre, embora, saiba que bem próximo de nós, Recifenses, existe o lixão da Muribeca, onde pessoas(catadores) devem passar por esta mesma situação, acredito eu. É vergonhoso saber que seres humanos passam por esta humilhação, aqui no nosso País, que é tão rico em plantações de frutas, verduras, hortaliças e etc. Felizmente o nosso Governo tenta minimizar a fome no País, mas é preciso que "ELES" saibam onde estão os maiores focos de desigualdade social e FOME, neste imenso Brasil e executem programas urgentemente para acabar com este quadro que é corriqueiro nas grandes e pequenas cidades.
    Fiquei Feliz em saber sobre os Projetos Sociais criados pela Faculdade, com participação de alunos e mais feliz ainda em saber do LAR ESPERANÇA, uma creche para os filhos dos catadores do lixão da Muribeca. Esta cadeira no curso de Adm. é importantíssima, principalmente, por que nos faz refletir, como damos valor a tantas bobagens na vida, como somos muitas vezes tão egoistas e materialistas, e esquecemos do próximo que está tão proximo. Procurarei como aluna, aprender, acompanhar e participar de alguns projetos, para poder aplicar no futuro, na vida pessoal e profissional.
    Luciana Cabral. Aluna Adm. N2 2011.

    ResponderExcluir
  27. Rafael Vitoriano
    Turma N2

    Estou indignado com a falta de respeito com o ser humano!!!
    A gente fica se perguntando como isso é possível ?
    Mais só que já passou fome, sabe como é isso.
    A pessoa se submete a fazer coisas que jamais imaginou fazer antes...
    O cumulo do absurdo foi que além das pessoas terem que se alimentar com o resto de comida jogado no lixo, eles ainda priorizarem o PORCO !

    Podemos sim mudar o mundo, basta apenas começarmos !!!

    ResponderExcluir
  28. Fabiana Tenório ADM N211 de fevereiro de 2011 14:03

    É um absurdo o que vemos nesse video, pessoas sendo tratadas de forma subhumanas, até quando...não podemos ficar de braços cruzados vendo isso acontecer!

    ResponderExcluir
  29. KÊNNIA MARIA
    TURMA N2
    No lugar de ilha das flores esta mais para ilha do lixo, um absurdo o que vemos no vídeo gente se torna porco e os porcos se tornam gente.
    Podemos no chocar aqui também tem vários lixão não é só o de Muribeca a outros lugares que contém uma grande quantidade de lixo e gente que briga para conseguir algo ali para comer correndo o risco de morrer com uma infecção das grandes.
    Não acho bem um absurdo mas acho um erro uma humilhação com o povo de DEUS ninguém merece ser tratado como um animal qualquer.
    O mundo precisa de ajuda pois esta sendo destruído pelo ser humano.

    ResponderExcluir
  30. O vídeo relata uma realidade vivida por milhões de pessoas sem opção de uma vida melhor, crianças que já nascem e crescem dentro do lixo sem escolha é muito triste,e ainda existem pessoas que não se importam com isso!!! Patricia parábens por esse trabalho maravilhoso. Ana Karina N2

    ResponderExcluir
  31. WELLINGTON JOSÉ NUNES ADM N2

    o video mostra, pessoas tendo uma vida de umilhação e de muita fome, para essas pessoas aceitar comer lavagem de porcos ou seja o resto dos porcos é inaseitavel em meio a sociedade, que tipo de homem dono de sítio ou fazenda, da esse tipo de alimanto a seres humano?

    ResponderExcluir
  32. É engraçado como nós seres humanos que, assim como o narrador cita por diversas vezes possuímos o telencéfalo altamente desenvolvido e o polegar opositor, que são alguns dos fatores que nos diferenciam dos demais seres vivos, ao mesmo tempo em que fomos capazes de evoluir e nos distanciar intelectualmente dos demais animais, acabamos por nos esquecer de nossos instintos mais simples como os de cuidado e preservação da nossa espécie. Presenciar situações como estas demonstradas no curta "ilha das flores" bem como na reportagem do Diário de Pernambuco, onde seres humanos como NÓS são submetidos à tamanha humilhação e desgraça e não se comover e se indignar é no mínimo inaceitável. Temos o dever de procurar mudar essa realidade. Cuidar dessas pessoas é obrigação da nossa espécie, pois a única coisa que nos diferencia destes infelizes que estão à margem da sociedade é a falta de sorte e oportunidade à eles atribuída.
    Thiago Francisco - Administração turma N2

    ResponderExcluir
  33. Professora esse filme aborda de maneira muito interessante e detalhista a desigualdade social, é um retrato fiel da mecânica da sociedade de consumo.

    Me surpreendeu saber que em 1989 já nos encontrávamos nessa situação e fico me perguntando o que mudou?

    Seres humanos tratados num nível abaixo dos porcos, lutando pela sobrevivência , me senti assistindo aos bastidores da vida real.

    Esse filme me fez repensar atitudes,parar para analisar quem sou e o que estou fazendo para contribuir com essa realidade.

    Precisamos levar conosco a consciencia de que nós somos a sociedade e se as nossas ações não mudarem, nada muda.

    Juliana Maria Oliveira de França N2 FAMA

    ResponderExcluir
  34. o video retrata a realidade de algumas familias brasileiras que vivem de forma precaria por causa da desigualdade social.
    O grande problema é que as autoridades sabem disso e não fazem nada pois vivemos em um pais capitalista.

    Fabio Silva Alves N2 FAMA

    ResponderExcluir
  35. Surpreende saber como o "absurdo" pode ser por alguns tratado com naturalidade, ou apenas ser feito vista grossa diante de situações como essa, deste vídeo.Muitas vezes, nós mesmos fazemos por onde nos alienar e acreditamos que esta realidade está distante, e é nisso que devemos repensar. O que fazer, como ajudar, como influenciar direta ou indiretamente a sociedade para que tenhamos resultados contínuos de melhoria para todos, e que as idéias não se tornem apenas idéias, e sim ação.

    Marília Rabelo de Menezes N2 FAMA

    ResponderExcluir
  36. É incrível como o mundo é tão cruel, no nosso conforto não pensamos no próximo, depois q vi esse vídeo parei para pensar na minha vida, e como sou privilegiada, também pensei que o mínimo q posso fazer é muito para essas famílias!!! REBECCA BOPP

    ResponderExcluir
  37. Sandra Margareth Costa de Melo FAMA N217 de fevereiro de 2011 13:35

    O vídeo é muito interessante, fazendo com que possamos entender o ciclo da vida e conhecer um pouco da realidade vivida pelas comunidades próxima aos lixões. Diante de tanto lixo produzido pelas pessoas que não conseguem usar racionalmente, reciclar, reaproveitar e simplesmente desperdiçam e jogam fora. Ao mesmo tempo que existe pessoas que sobrevivem disso, num retrato de miséria, luta pela sobrevivência, desigualdade social, falta de oportunidade entre outras questões a serem refletidas no nosso pais. Sendo assim vamos juntos trabalhar nesta mudança.

    ResponderExcluir
  38. É impressionante como nunca damos importância a coisas que achamos que é desnecessária. Fico a pensar o quanto agimos errado, em saber que se passa coisas como esses video demonstra e ficamos imune ou melhor, aturamos. Deixamos passar! Gente, que vida é essa? Deixar que nós, seres humanos, busque alimentos onde esses alimentos são pisoteados, comidos, pegados com mãos que não sabemos de onde vem e essa população, que claro, sofre, come! Come! Eu fico a me perguntar, do que mais precisamos ver? Se tudo que se passa hoje em dia, se resume em mortes, roubo, falta de alimentos, falta de empregos... Eu sei que o mundo tá sendo injusto com esse povo, mais sei também, que nós, que temos um pouco mais que eles, podemos cooperar... Há se podemos! E se podemos, porque não agir? Agir agora! Já! Isso tá se agravando e a tendencia é só piorar. Vamos acordar!

    Bruno Luiz N2 - ADM - NOITE.

    ResponderExcluir
  39. STEFHANY FURYA NOITE N2 A.D.M17 de fevereiro de 2011 21:19

    Aluna : STEFHANY FURUYA N2 NOITE A.D.M

    Fico pequeno, incompetente e meio perdido ao falar sobre isso,na parte em que me acho, fico pensando na natureza humana. Há lados muito bons e outros muito ruins.
    Há pessoas morrendo assim e não precisa ir longe,passando necessidade com a propria fome,realmente é uma realidade da vida.
    Muita coisa torna difícil falando por eles mesmos,principalente os africanos que é a maior população de baixa renda. Há dificuldade e falta de acesso e leitura do próprio povo que passa fome e sede também Seria humano ouví-los. Eles estão em silêncio, não porque queiram. ``Ninguém,esse ninguém não é absoluto, alguém deve saber``.
    Então vamos deixar de reclamar sobre pequenas situações que não se realizou,e ajudar nossos irmãos que independente de raça,classe social e cultura são pessoas que luta pelo pouco que conquistou.
    caridade sempre!

    att stefhany furuya n2 noite
    parabéns pelo saite.
    17.02.2011

    ResponderExcluir
  40. É uma cena triste mas que nos faz refletir
    sobre nossas atitudes do dia-a-dia, ás vezes a sociedade precisa levar um choque para poder enxergar o que se passa em volta, como foi o caso da família que se alimentou do seio humano, essa notícia fez com que a Sra Cristina se concientiza-se e procurase de alguma formar ajudar e assim trazer mais voluntários para tentar amenizar aquela situção deplorável que as pessoas que vivem no lixão se encontram. Enfim...Creio que esse blog não foi feito apenas para deixar coméntarios, pois vale salientar que ainda existem milhares de famílias que vivem em situações inimagináveis assim como essas que acabamos de ver. Vamos colocar a caridade em prática ajudando nosso próximo.
    Fica a dica.


    Fabiana Aguiar/ N2 Noite

    ResponderExcluir
  41. KARLA DANIELA N2 ADMINISTRAÇÃO22 de fevereiro de 2011 17:03

    Cheguei a me perguntar em que PAIS eu vivo.Precisamos mudar essa realidade,nós podemos nos reeducar e educar as gerações que estão por vir,de maneira que elas entendam a importância da separação adequada do lixo.Gostaria também de parabenizar a professora Patricia luna e toda sua equipe por esse trabalho maravilhoso .

    ResponderExcluir
  42. Minha maior decepção é saber que somos todos culpados por essa desumanidade, só o fato de deixar estragar comida como uma fruta aque apodreceu na jeladeira,um pão que ficou duro, um feijão que azedou,e muitas vezes só por que não estamos mais a fim de comer estamos desrespeitando os direitos humanos, por que o que deixo estragar hoje em minha casa falta na casa de algum ser humano e pior, de alguma criança que não pediu para vim ao mundo, sempre falo para meu filho de 5 anos que existe pessoas que não tem o que comer por isso não adimito que estrague comida, mais nunca parei para pensar que um simples iogurte estragado pode servir de refeição para uma criança faminta e que essa criança pode morrer por ter matado sua fome,estamos matando nosso povo incocientemente, mais o que fazer? se o governo prefere gastar milhões com a copa do mundo ou com a recontrução das escolas de samba do Rio de Janeiro que pegaram fogo nun incendio que pode ter sido criminoso, á ter que gastar dinheiro capacitando esses pais e dando -lhes oportunidade de viver humanamente, sei bem o que digo por que senti na pele o sofrimento de uma criança que acordava de madrugada e via sua mãe chorando por não ter o que dar para comer a seus filhos tudo simplismente por que não teve capacitação e não conseguia emprego, mais hoje sou uma vitóriosa e graças a deus eu e meu irmão nús transformamos em pessoas de bem mais nem sempre é assim, por que, essas crianças sofridas de hoje serão os maginais dos morros de amanhã, revoltados e armados contra a vida,que serão presos e julgados como CULPADOS, culpados por que? por não ter tido uma infãncia digna? quando crianças pediram para não serem respeitados? isso já virou uma bola de neve,mais quem de fato são os CULPADOS? será aquele homem que roubou um supermercado para matar a fome da revolta? ou o Governo desalmado que não os educou na sua infãncia desumana? bem, patricia, deixo aqui meu desabafo, quero te dizer que pode contar comigo para trabalhos voluntários tão lindos como esse que você fez nessa creche.

    ResponderExcluir
  43. No meu blogger tem um video da depultada cidinha campos denunciando o deputado Nader que se candidatou a tribunal de contas do estado, depois de seu pai e seu filho ter sido acusados de rouba remédio das nossas crianças.

    Vejam e tirem suas conclusões.
    www.jacquelinelcastro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  44. HELENA MARÇAL - N2
    O que mais me chama atenção é que somos cumplices e responsáveis pelo que acontece. Simplismente nos sencibilizamos, mas na realidade o que fazemos para que cenas como essas não aconteçam? O governo não é o único culpado, será que a educação que damos e temos em casa está contribuindo para que isso aconteça? As coisas só vão mudar no dia em que todos contribuirem para a sociedade em vez de cruzar os braços e lamentar-se.

    ResponderExcluir
  45. oi adorei o seu blog, já estou te seguindo, dá uma olhadinha no meu blog também, abração http://conectividadescrita.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  46. “Tudo o que fazemos atinge de alguma maneira outras pessoas, positiva ou negativamente, assim como o meio-ambiente do qual fazemos parte”.Somos responsáveis por tudo que criamos, produzimos e cativamos.Da mesma forma, somo responsáveis pelo lixo que produzimos e devemos dar a destinação correta ao mesmo.Quando esses resíduos são
    descartados de maneira indevida, tornam nosso ambiente totalmente insustentável contaminando além do solo o ar e os oceanos. Devemos ter consciência disso e fazer nossa parte!

    Aluna: Ana Karina de Santana
    Turma: N6

    ResponderExcluir
  47. "Lixões do Nosso Brasil"
    Essa é a verdade "nua e crua", o fato é que muitos fecham os olhos, onde não apenas as autoridades, governos precisam tomar providências, mas cada indivíduo deve tomar consciência e os devidos cuidados com o lixo que produz, pois poderá ter consequências ao meio ambiente e por sua vez a sociedade.

    Alcilene M. Silva
    Turma: N6 (2013.1)

    ResponderExcluir
  48. Lixões do nosso Brasil
    È uma lamentavel realidade em que vivemos, estamos exposto aos lixos nas ruas, a falta de tratamento correto para eles,isso só faz a cada dia prejudicar nosso maio ambiente, pela falta de conscientização dss pessoas, que por comodidade não separam os lixos, para seus devidos lugares,enfim, com todo esse processo dos lixões do nosso país, as consequências de fato serão grandes, devemos cameçar já, pois deve partir de nós o ponta pé inicial para mudar essa triste ralidade em nosso país.E os governos dar mais enfase esse essa realidade.

    ResponderExcluir
  49. Lixôes no Nosso Brasil
    Uma realidade triste em que vivemos, as autoridades´precisam se mobilizarem mais para uma realidade presente em nossa sociedade, pois os lixões não tem o tratamento correto, isso acarreta em uma serie de problems ambiental,e por sua vez a saúde da população. As pessoas precisam se conscientizarem em fazer seleta do lixo em suas casas, assim estará ajunda ao meio ambiente,e si proprio a mudança tem que partir de nós, façamos a diferença.

    Fabiana Da Silva Lima Tenório
    N6

    ResponderExcluir
  50. É impressionante como conseguimos ignorar a miséria que nos rodeia, há pessoas que vemos no nosso dia a dia que tratamos como meros objetos da cidade sem notar que alí está um cidadão ou por muitas vezes alguém que já perdeu totalmente o conceito de cidadania em nome da sobrevivência. Imagine então o que acontece com aqueles que na maior parte do dia tem contato apenas com um mar de lixo, e que passam o dia a enxergar apenas isso. Precisamos de políticas sanitárias decentes e não de esconder nosso lixo atrás dos altos muros juntamente com aqueles que dele tiram seu sustento, o lixo se bem tratado rende muito dinheiro e deixa de ser algo asqueroso, é um dever do governo fazer com que essas pessoas trabalhem em centros de reciclagem e usinas de energia à base de lixo orgânico, tornando a nossa vida e principalmente a destas pessoas mais digna, e cabe a nós cobrarmos estas atitudes pois para os nossos governantes essas pessoas não existem, nem nas estátisticas de emprego e renda, são assombrações que só aparecem quando algo tão absurdo como o relatado na reportagem acontece.
    Alexandre Silberstein - N6

    ResponderExcluir
  51. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  52. Devemos fazer uma grande reflexão sobre essa situação , em relação a tudo que jogamos no lixo e como jogamos, o que consumimos e em que proporções fazemos isso. Precisamos agir de forma correta para melhorar essa realidade presente em nossa sociedade. E procurar se conscientizar dessa situação e agir de forma que possa ajudar a melhorar e ter a certeza do que é certo.

    Aluno: Alexandre Ribeiro
    Turma: N6

    ResponderExcluir
  53. Há uma propaganda antiga, veiculada na tevê, por volta da mesma época (1994), relatando o caso de dona Leonilda, moradora do lixão de Peixinhos.
    Nessa propaganda uma dona de casa chorava, enquanto um narrador noticiava, na tevê, a história de dona Leonildes e seu achado, bem como ao destino que ela deu a este. Gostaria muito de rever essa propaganda. Já vasculhei o YOUTUBE, porém não sei quais palavras chaves utilizar, a fim de especificar a pesquisa. Se alguém souber ou se lembrar dessa propaganda, veiculada, pelas emissoras de tevê, em 1994 e puder me dar uma luz, agradeço!

    ResponderExcluir